quinta-feira, 30 de junho de 2016

«JESSE JAMES VS. THE DALTONS»

«JESSE JAMES VS. THE DALTONS» é  um filme com realização (em 1954) de William Castle e produção da Columbia Pictures. Com Brett King, Barbara Lawrence, John Cliff, etc. Tem fotografia a cores e uma duração de 65 minutos. Obra de baixo orçamento e interesse a condizer. Sinopse : Coffeyville, Cansas, em 1892. Um certo Joe Branch -que foi criado em casa de Jesse James e que tem dúvidas sobre a sua real identidade- salva uma mulher da vindicta popular, evitando-lhe um linchamento. O seu gesto não é tão altruista quanto parece, já que a mulher resgatada aos 'justiceiros, é a única pessoa que o pode colocar em contacto com os famosos irmãos Dalton, outrora cúmplices de Jesse James e íntimos conhecedores da sua vida particular... Título brasileiro : «Jesse James Contra os Daltons».

«CHARLEY-ONE-EYE»

Com realização, em 1972, de Don Chaffey, este western contou com a presença artística de Richard Roundtree, Roy Thinnes, Nigel Davenport, Jill Pearson e Aldo Sambrell. «CHARLEY-ONE-EYE» (que, ao que penso saber, nunca por cá estreou) é uma fita com distribuição da Paramount, colorido e com 110 minutos de duração. Sinopse : Ben, um jovem negro, desertor do exército dos Estados Unidos, é perseguido, simultaneamente, pela cavalaria e por um bando de caçadores de recompensas. No deserto e em situação desesperada, ele vai ser socorrido por um pele-vermelha de nome Touro Sentado, com o qual Ben vai estabelecer sólidos laços de amizade. Nunca tive a ocasião de conhecer esta película, que, no Brasil, nunca teve título próprio.

«ESTADO LIVRE DE JONES»

Este filme, que estreia hoje em Portugal, não é propriamente um western. É uma película cuja acção decorre durante a guerra de Secessão; mas toda a gente sabe da tendência que têm os amadores do género que consagrou John Ford para fazer esta amálgama, que alguns puristas recusam obstinadamente aprovar. Eu sou um daqueles cinéfilos a quem essa confusão dos géneros não incomoda. Isto dito, aqui deixo alguma informação sobre «ESTADO LIVRE DE JONES» («Free State of Jones»), filme que, obviamente, eu ainda não vi. Tem realização de Gary Ross (2016) e a participação artística de Matthew McConaughey, Gugu Mbatha-Raw, Keni Russell, Mahershala Ali, Christopher Berry e Sean Bridger. A história contada -que o guionista pretende ser inspirada em factos autênticos- é a de um agricultor que deserta o exército sulista e que arrasta com ele inúmeros outros combatentes desgostosos com o rumo das suas vidas. Unidos aos escravos negros das plantações de algodão, eles vão fundar uma comunidade livre e soberana no condado de Jones, no Mississippi; que, durante um tempo e mercê de uma luta sem quartel, vai escapar ao controlo das partes em confronto... Esta película tem a chancela da companhia Bluegrass, é colorido e tem uma duração de 139 minutos. Alimento grandes expectativas no que respeita a qualidade deste filme; que eu desejo conhecer o mais rapidamente possível. Ainda sem título brasileiro.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

MAIS NOVIDADES VINDAS DE FRANÇA

Para 6 de Setembro do ano em curso já está assinalada, em França, a edição -em DVD- de dois filmes, para mim inéditos. Trata-se de «High Lonesome» (que em Portugal tomou o título de «A VINGANÇA DOS MORTOS»). e que é um western com realização (em 1950) de Alan LeMay, o conhecido e apreciado autor e argumentista do superclássico «A Desaparecida». Fita levada ao ecrã por mestre John Ford em 1956. É uma película que, ao que me foi dito, conta uma história bastante original e que, até aqui, nunca havia merecido a atenção dos editores europeus de videogramas. Confesso que sinto uma certa excitação em vésperas de poder descobrir, finalmente, este filme que, em França, se chama «La Vallée du Solitaire». Venha ele !


A segunda fita é-me totalmente desconhecida. Nunca ouvira falar dela até ao anúncio da edição em DVD da respectiva cópia : trata-se de um western realizado, em 1973, por Don Chaffey, cujo título original é «Charley-One-Eye»; que conta a história rocambolesca de um soldado negro desertor do exército dos Estados Unidos e que é ferozmente perseguido pela tropa e também por caçadores de recompensas. Embora as minhas expectativas em relação a esta fita não sejam muito elevadas (no que à qualidade diz respeito), quero dizer que é sempre positivo ver algo de novo em matéria de cinema western. Esperemos para ver...

domingo, 19 de junho de 2016

«SACRED GROUND»

Western estreado em 1983, que teve realização de Charles B. Pierce e colaboração artística de Tim McIntire, Jack Elam, L. Q. Jones, Mindi Miller, Eloy Casados, Serene Hedin e Vernon Foster. A produção e distribuição foram assumidas pelas companhias Pacific International Enterprises e Wilderness Family Inc.. É um filme inteiramente rodado em exteriores no Oregon, colorido e com 100 minutos de duração. Sinopse : algures no Oeste, um pioneiro desposa uma mulher índia que está grávida. Ostracizado pela comunidade branca e pelos pele-vermelhas, o novo casal afasta-se da região e vai construir (por pura ignorância) a sua cabana num lugar de sepultura dos Paiutes; onde Little Doe dá à luz uma criança. A vingança dos índios será brutal, visto que a parturiente é morta e o seu filho raptado. Matt Colter, que sobrevivera ao ataque, vai recorrer à ajuda de um seu amigo -experiente homem das montanhas- para recuperar o filho... Infelizmente, eu nunca tive a ocasião de ver esta película; que no Brasil se intitula «Terra Sagrada».

«LAST OF THE DUANES»

Inspirado numa novela de Zane Grey (que teve meia dúzia de adaptações ao cinema desde 1919), esta fita foi realizada em 1941 por James Tinling. E teve na interpretação dos principais papéis os actores George Montgomery, Lynne Roberts, Eve Arden, Francis Ford e William Farnum. Apresenta a chancela da 20th. Century, foi filmado a preto e branco e tem uma duração de 57 minutos. A história contada é a um ranger do Texas que abandona o seu posto para perseguir o assassino de seu pai. Colocado na lista dos fora-da-lei estabelecida pela polícia rural a que pertencera, o jovem vai envidar esforços para ganhar, de novo, a confiança perdida... Filme inédito em Portugal. Titulo brasileiro : «O Último dos Duanes».

sábado, 18 de junho de 2016

«THE ANGEL AND THE BADMAN»

'Remake' de um conhecido western de 1947, realizado por James Edward Grant e protagonizado por John Wayne e Gail Russell. O filme em apreço, o mais recente, foi estreado em 2009 na TV e no vídeo e o seu director de actores foi Terry Ingram. Contrariamente à fita dos anos 40, «THE ANGEL AND THE BADMAN» foi filmada a cores. A sua duração é de 95 minutos. O elenco é encabeçado por Lou Diamond Pillips, por Deborah Kara Unger e por Luke Perry. Foi inteiramente rodado no Canadà, mais precisamente na região de Vancouver, na Columbia Britânica. A história contada não se afasta muito do tema do filme original, que nos instrói sobre o destino de um pistoleiro profissional, que renuncia à violência, depois de ter encontrado uma namorada quaker...